REGIMENTO INTERNO DA AABB MANHUAÇU

CAPÍTULO I
DO REGIMENTO INTERNO

Art.1º- A Associação Atlética Banco do Brasil de Manhuaçu, doravante designada Associação, ou simplesmente “¬AABB”, reger-se-á por seu ESTATUTO, por este REGIMENTO INTERNO, pelo REGULAMENTO DE ELEIÇÕES, pelas demais deliberações de seus órgãos e pelas Leis do País.

Art.2º- O presente Regimento Interno tem por finalidade estabelecer normas para o uso das dependências do clube, definir atribuições, regulamentar a disciplina, bem como a conduta social e esportiva de seus associados e complementar a ação do Estatuto Social.

Art.3º- A obrigatoriedade do cumprimento das normas expressas nesse Regimento Interno será absoluta por parte dos funcionários, associados, seus dependentes e convidados, sem privilégios e exceções.

CAPÍTULO II
DA ADMISSÃO DE SÓCIOS TITULARES E DEPENDENTES

Art.4º- Para a admissão de associados, fica definido as seguintes categorias:
•EFETIVOS - funcionários do Banco do Brasil, da ativa e aposentados;
•COMUNITÁRIOS – Pessoas da Comunidade, clientes do Banco do Brasil;
•AUTORIDADES - pessoas detentoras de cargos relevantes na comunidade (Juizes de Direito – Promotores – Comandantes de Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros – Delegados Regionais de Polícias Civis);
§ 1º - Admitir-se-á em todas as categorias, a modalidade de sócio individual desde que comprovada a inexistência de dependentes.
§ 2º - Serão considerados como dependentes dos sócios: esposa(o), filhos, enteados e demais dependentes constantes da declaração do Imposto de Renda. As exceções serão analisadas pelo Conselho de Administração.

CAPÍTULO III
DOS ASSOCIADOS

Art. 5º- Os filhos de associados até completarem a maioridade, são dependentes para todos os fins. A maioridade aqui prevista inicia aos 21 (vinte e um) anos e, se estudante, aos 24 (vinte e quatro) anos, podendo em caráter excepcional, estender esta regalia até aos 25 (vinte e cinco) desde que não tenha emprego remunerado. Exceção se faz às filhas do associado, que não perderão a condição de dependência enquanto solteiras sem filhos e sem emprego remunerado.

Art. 6º- Não é permitido ao dependente de associado, convidar pessoas estranhas para visitar a sede. Tal direito só caberá ao sócio titular mediante solicitação de convite-ingresso.

Art. 7º - Os dependentes de sócios efetivos, comunitários e autoridades, terão direito a freqüência às dependências da Associação, podendo participar de toda e qualquer modalidade de competição esportiva, social e cultural.

CAPÍTULO IV
DOS CONVIDADOS E VISITANTES

Art. 8º - Terá livre acesso as dependências da Associação, as namoradas(os) e/ou noivas(os) dos titulares, inclusive o uso das piscinas, desde que acompanhados(as) dos mesmos e de posse do convite-ingresso, que deverá ser adquirido por intermédio do sócio titular.
§ único - A regalia acima fica estendida, também, as namoradas(os) e/ou noivas(os) dos dependentes desde que acompanhados(as) dos mesmos(as) e de posse de convite-ingresso que deverá ser adquirido pelo interessado, por intermédio do sócio responsável, com validade mínima de 30 dias, mediante pagamento de taxa estipulada pelo Conselho Administrativo, podendo ser renovado mensalmente.

Art. 9º - O associado titular terá direito a 3 (três) convites mensais gratuitos, não cumulativos, a partir do 4º convite pagará uma taxa conforme tabela que se encontra na secretaria da Associação, válidos por 7 (sete) dias cada um, para visitantes ou convidados de outro município, e poderá ser renovado mensalmente.
§ único – O convidado do sócio titular/cônjuge, deverá apresentar o convite-ingresso junto com o documento de identidade na portaria do clube.

Art.10º - Cumpre ao associado orientar a seus convidados com respeito às normas da Associação. Recomenda-se ao máximo critério na escolha de convidados, a fim de serem evitadas pessoas que possam prejudicar o convívio social. O associado é responsável pelos atos de seus convidados.

CAPÍTULO V
DA CARTEIRA SOCIAL

Art.11 - Todo sócio para adentrar nas dependências da Associação, só o fará mediante a apresentação da carteira de identificação social, adquirida mediante pagamento de taxa na secretaria da Associação.
§ único - Sem apresentar a carteira social, o sócio só terá permissão para ingresso na Associação mediante autorização do Presidente Administrativo ou da secretaria, após consulta cadastral no sistema, sendo vedada a sua liberação em caso de reincidência.

Art.12 - O sócio que perder sua carteira social, deverá comunicar imediatamente à secretaria e solicitar a 2º via, mediante pagamento de taxa.
§ único - Para os maiores de 5 (cinco) anos, fica obrigatório a confecção da carteira social.

Art.13 - Enquanto não for expedido novo exemplar da carteira social, a secretaria, fornecerá autorização provisória de freqüência com validade limitada, a ser devolvida posteriormente, na entrega da nova carteira.

CAPÍTULO VI
DA ADMINISTRAÇÃO

Art.14 - A Associação ficará aberta de terça a sábado das 07:00 às 22:00 horas, domingos e feriados das 7:00 às 18:00 horas. Às segundas-feiras a Associação ficará fechada para manutenção.
§ único – A Associação fechará nos dias 1º de janeiro e no Natal.

Art.15 - Funcionários do Banco do Brasil de outras dependências, quando de passagem por esta Associação, terão direito de ingresso ao clube, desde que exiba a carteira funcional ou de associado de outra co-irmã.

Art.16 - Todos os associados e funcionários deverão ter pleno conhecimento do Estatuto Social e do Regimento Interno da Associação.

Art.17 - A associação poderá exigir do sócio ou dependente exames médicos complementares, desde que julgue necessário a aprovação e comprovação definitiva de alguma moléstia. Nos casos positivos, dependendo da gravidade, a utilização das dependências da Associação poderão ser proibidas em caráter temporário ou definitivo.

Art.18 - A permissão da entrada na Associação por Babás, só poderá ser autorizada, após preenchimento de cadastro na Secretaria da Associação e após aprovação/autorização do Conselho de Administração, ficando claro que é terminantemente proibido o uso da piscina pelas Babás.

Art.19 - Será excluído automaticamente o associado que deixar de recolher, 10 (dez) mensalidades consecutivas.

Art.20 - A partir da 3º(terceira) mensalidade não paga, o associado será impedido de freqüentar a Associação.

Art.21 - A readmissão do associado excluído ou impedido por não pagamento das mensalidades, somente será efetivada após liquidação dos atrasados, com seus valores atualizados ou pelo pagamento de nova taxa de adesão, a critério do Conselho de Administração.

CAPÍTULO VII
DO REGIME DISCIPLINAR

Art.22 - Considera-se infração disciplinar toda ação ou omissão dos sócios e seus dependentes que comprometa a dignidade e o decoro, embarace a eficiência do serviço, cause prejuízo de qualquer natureza e não observe as normas estatutárias ou regimentais da Associação.
§ único – na aplicação da pena levar-se-á em conta os antecedentes e o grau de culpa do acusado, os serviços prestados à Associação, bem como os motivos, as circunstâncias e as conseqüências da ação ou omissão.

Art.23 - O associado que forçar a entrada nas dependências da Associação, sem a devida identificação, obstruir o portão de acesso ou desacatar o porteiro será punido com o artigo 30 deste Regimento.

Art.24 - São expressamente proibidas, em qualquer dependência da Associação, manifestações de caráter político-partidário ou religioso, bem como a prática de jogos de azar, em qualquer modalidade.

Art.25 - Não será permitido a permanência no recinto de determinada área da Associação, fora de seu horário de funcionamento.

Art.26 - É proibido o trânsito de qualquer veículo motorizado dentro da Associação com quilometragem acima do permitido, bem como o uso dos mesmos por pessoas não habilitadas.

Art.27 - É proibido o jogo de sinuca por menores de 14 (quatorze) anos, salvo se acompanhados pelos pais ou responsáveis.

Art.28 - É terminantemente proibido o uso de bebida alcoólica e cigarros por menores de 18 (dezoito) anos no bar ou em qualquer área da Associação, ainda que acompanhados pelos pais ou responsáveis.

CAPÍTULO VIII
DA COMISSÃO DISCIPLINAR

Art.29 – A Comissão disciplinar de caráter permanente, será constituída pelos Presidentes dos Conselhos Administrativo, Deliberativo e Fiscal, um funcionário indicado pela agência do Banco do Brasil e dois sócios indicados pelo Presidente do Conselho de Administração.
§ 1º - A Presidência será definida por seus membros;
§ 2º - A Comissão se reunirá com a presença mínima de 4 (quatro) de seus membros;
§ 3º - Nos períodos de “férias” ou “temporadas” o Conselho Administrativo poderá criar um Conselho Disciplinar Provisório, constituído por 4 membros, para apreciar as infrações cometidas nas dependências do Clube, com os mesmos poderes do Conselho Disciplinar Normal.
§ 4º – Na ausência de conselheiros, qualquer associado ou funcionário da Associação obriga-se a fazer cumprir este Regimento, advertindo verbalmente o infrator e encaminhando, de imediato, correspondência á Administração, detalhando a ocorrência e citando nominalmente os envolvidos.
§ 5º - Os casos omissos serão analisados pelo Conselho Disciplinar que classificará o tipo de penalidade a ser aplicada.

CAPÍTULO IX
DAS PENALIDADES

Art.30 - As infrações cometidas por associados, dependentes ou convidados, estarão passíveis das punições abaixo:
a) Advertência, verbal ou por escrita;
b) Suspensão;
c) Eliminação.

Art.31 - Caberá a advertência por escrito sempre que à infração não for aplicável outra penalidade.

Art.32 - As infrações que poderão acarretar pena de suspensão serão julgadas pelo Conselho Disciplinar como leves, severas, graves e gravíssimas.
§ 1º - A pena de suspensão priva o Associado de seus direitos, subsistindo, porém, as suas obrigações.
§ 2º - A pena de suspensão não poderá ser superior a 1 (um) ano.
§ 3º - Unicamente nos casos flagrantes de falta grave, o Conselho de Administração poderá afastar o associado, preventivamente, do exercício de seus direitos, não podendo a medida exceder a 30 (trinta) dias.

Art.33 - Será classificada como leve a reincidência em infração já punida anteriormente com advertência por escrito, além de outras que poderão ser mencionadas oportunamente pelo Conselho de Administração, implicando na penalidade de suspensão de até 30 (trinta) dias.

Art.34 - Serão classificadas como severas as infrações abaixo, implicando na penalidade de suspensão de 31 a 60 dias
a) reincidir em infração leve;
b) ceder a carteira social autorização de acesso aos recintos da Associação, comprovante de quitação de mensalidades a terceiros para facilitar-lhes o acesso à Associação;
c) adulterar a carteira social;
d) adquirir convite-ingresso para pessoa do município de Manhuaçu, alegando ser de outra cidade;
e) ofender, agredir verbal ou fisicamente, praticar atos de improbidade ou lesivo da honra ou da boa fama contra associados, convidados, dirigentes ou funcionários da Associação;
f) portar-se de forma anti-desportiva nas atividades dentro da Associação ou onde suas equipes se apresentem;
g) introduzir no recinto da Associação, a seu convite, pessoas inconvenientes ao convívio social;
h) outros casos a serem mencionados oportunamente a critério do Conselho de Administração, não citados neste artigo.

Art.35 - Serão classificadas como graves as infrações abaixo, implicando a penalidade de suspensão de 61 a 120 dias:
a) brigar no recinto da Associação, chegando as vias de fato;
b) praticar ato condenável ou ter comportamento inconveniente nas dependências da Associação e fora, nas competições que contem com a participação da AABB, como brigas, embriaguez, gestos e atos obscenos, etc.;
c) entregar à direção de veículo a pessoa não habilitada no recinto da Associação, estacionar em locais proibidos ou inadequados que impeçam a livre circulação de outras pessoas ou veículos, ou usar de artimanhas para fazer adentrar ao recinto da Associação os veículos de seus convidados;
d) outros casos a serem mencionados oportunamente a critério do Conselho de Administração, não citados neste artigo.

Art.36 - Serão considerados como gravíssimas as infrações abaixo, implicando na penalidade de suspensão de 121 a 180 dias:
a) portar armas de qualquer espécie no recinto da Associação, podendo causar risco a outrem;
b) prestar ou endossar informações inverídicas na apresentação de novos Associados ou em outras situações que lhe forem solicitadas pelo Conselho de Administração;
c) atentar contra o conceito público da Associação por ação, omissão;
d) transgredir qualquer disposição estatutária, regimental ou regulamentar;
e) atentar contra a disciplina da Associação, promovendo a discórdia entre os associados, convidados, concessionários ou funcionários;
f) causar qualquer espécie de prejuízo a Associação, inclusive com autuação por qualquer motivo, inclusive por ingestão de bebidas alcoólicas, pelo associado ou convidado, nos horários proibidos pelo TRE – Tribunal Regional Eleitoral;
g) praticar atos de vandalismos, pichações, quebras ou danos em bens móveis, utensílios, etc., da Associação;
h) entrar no recinto da Associação e participar de qualquer atividade estando suspenso;
i) praticar atos atentatórios à moral e aos bons costumes nas dependências da Associação;
j) usar ou comercializar drogas de qualquer natureza;
k) outros casos a serem mencionados oportunamente a critério do Conselho de Administração, não citados neste artigo.

Art.37 - A eliminação definitiva de associados ocorrerá em qualquer dos casos abaixo:
a) reincidir em falta grave ou gravíssima; b) praticar atos de improbidade ou lesivo da honra ou da boa fama contra associados, presidentes, conselheiros, convidados, concessionários ou empregados da AABB ou ainda praticar agressão física;
c) deixar de indenizar a Associação, após a notificação, de danos, devidamente apurados, que o associado, seus dependentes ou convidados causarem;
d) furtar ou roubar bens da associação, de outros associados, dependentes ou convidados;
e) caluniar, difamar ou injuriar por palavras ou quaisquer atos, associados, convidados, empregado da Associação ou membros dos Conselhos;
f) prestar ou endossar informações inverídicas, que possam prejudicar o bom funcionamento administrativo da Associação ou atingir seus dirigentes, bem como tumultuar as reuniões dos poderes constituídos ou Assembléias Gerais;
g) praticar qualquer tipo de segregação: racial, religiosa, econômica, sexual, etc.;
h) outros casos a serem mencionados oportunamente a critério do Conselho de Administração, não citados neste artigo.

Art.38 - O sócio ou dependente, enquanto suspenso, não poderá ingressar nas dependências da Associação ainda que a convite de outro sócio ou na condição de visitante.

Art.39 - A aplicação da pena far-se-á sem prejuízo da obrigação de indenizar eventuais danos produzidos direta ou indiretamente á Associação ou a outro sócio.

Art.40 - A reincidência agrava a pena.

Art.41 - O associado que estiver privado de freqüentar o clube por motivo de aplicação de penalidade, continuará obrigado ao pagamento das mensalidades, normalmente.

Art.42 - Nos casos de pena de eliminação do associado titular, necessariamente alcançará seus dependentes.

Art.43 - A eliminação do dependente não alcançará o titular.

Art.44 - A aplicação da pena será sempre em caráter individual.

CAPÍTULO X
DA RESPONSABILIDADE CIVIL

ART.45 - A responsabilidade pela vigilância das crianças é dos pais ou responsáveis e caberá a eles o ônus de eventuais acidentes, quedas, etc., no recinto ou em quaisquer instalações da Associação, principalmente no parque aquático e infantil.

Art.46- O associado ou convidado, cujo comportamento não se adeque às regras de vida em sociedade e que cometa qualquer tipo de infração no recinto da Associação, será retirado imediatamente e sofrerá penalidades. O associado responsável responderá pelos atos de seu convidado.

Art.47- A Associação não se responsabilizará por danos materiais, furtos ou roubos de veículos estacionados dentro ou fora da Associação, bem como objetos pessoais deixados ou esquecidos em qualquer recinto.

CAPÍTULO XI
DOS BENS DA ASSOCIAÇÃO

Art.48- É vedado o empréstimo de qualquer material da Associação aos associados, para seu uso particular, salvo autorizado pelo Conselho de Administração.

Art.49- Todos os associados são responsáveis pelo material esportivo e/ou social, que lhes foi entregue para treinos e jogos, obrigando-se a indenizar a associação nos casos de dano ou extravio.

CAPÍTULO XII
DO ESTACIONAMENTO E ÁREAS LIVRES

Art.50- Todo associado deverá estacionar seu veículo, obedecendo a demarcação existente.

Art.51- Não é permitido que pessoas sem habilitação ou menores transitem com veículos automotores no interior da Associação.

Art.52- A Associação não se responsabilizará por eventuais colisões ocorridas em suas dependências .

Art.53- Nas vias internas o associado deverá respeitar a velocidade determinada pela Associação, bem como as regras de trânsito.

Art.54- Não é permitido ao associado reservar vagas no estacionamento.

Art.55- Não é permitido o som de veículos em alto volume.

Art.56- É dever de todo associado zelar pela limpeza e conservação de todas as dependências da Associação, bem como ajudar na conservação da fauna e da flora.

CAPÍTULO XIII
DO PARQUE INFANTIL

Art.57- O parque infantil só poderá ser utilizado por crianças de até 12 (doze) anos, com o acompanhamento dos pais ou responsáveis eximindo-se a Associação, ou seus dirigentes, por qualquer acidente que porventura venha a ocorrer.

Art.58- É proibido o uso do parque infantil por adultos.
§ único- Todo e qualquer estrago em peças ou brinquedos do parque infantil ocasionados por adultos, além de sujeitá-los às punições estabelecidas neste Regimento Interno, obrigará os infratores a substituição do material ou a pagarem o avaliado, em caso de conserto ou troca do brinquedo, se for o caso.

CAPÍTULO XIV
DAS PISCINAS E DO TOBOÁGUA

Art.59- Não poderão freqüentar as piscinas as pessoas que apresentarem afecções nos olhos, ouvidos, boca, ou moléstias infecciosas e parasitarias da pele ou outros órgãos. Igualmente não será permitida a freqüência nas piscinas de pessoas com ferimento ou qualquer solução de continuidade da pele, bem como portadores de esparadrapos, algodão, óleos bronzeadores e demais pomadas, ou que sofrem de doenças contagiosas.

Art.60- As crianças menores de 8 (oito) anos só poderão entrar nas piscinas acompanhados dos pais ou responsáveis.

Art.61- Todo usuário das piscinas deverá passar pelo chuveiro.

Art.62- Ficam terminantemente proibidas quaisquer brincadeiras nas piscinas, tais como:
a) Empurrar ou carregar outra pessoa para atirá-la na água;
b) Provocar jatos d’água;
c) Simular luta ou qualquer brincadeira de empurrar;
d) Fingir afogamento;
e) Praticar desportos não aquáticos.

Art.63- Ficam proibidas quaisquer práticas que atentem aos princípios de higiene, tais como:
a) Usar bronzeador ou qualquer outro tipo de cosmético no corpo;
b) Atirar sabão, óleo, espuma, etc., na água da piscina;
c) Entrar na piscina com o mesmo calção ou short utilizado para praticar esportes;
d) Cuspir, escarrar, assoar nariz ou urinar dentro da piscina.

Art.64- O usuário da piscina deverá estar em trajes de banho, não sendo permitidos trajes transparentes.

Art.65- A prática de esportes aquáticos coordenados pelo clube terão horário e espaço definidos pelo Conselho.

Art.66- Não é permitido fumar no recinto das piscinas, bem como jogar cinza ou ponta de cigarros no chão.

Art.67- Não é permitida a entrada de câmaras de ar, bóias, bolas e similares nas piscinas, salvo bóias para crianças.

Art.68- Não é permitido a colocação de peças de vestuários, toalhas ou outros objetos sobre as muretas.

Art.69- Não é permitido pular a mureta, gramados ou grades de isolamento da piscina ou qualquer outro espaço da Associação.

Art.70- Com o único intuito de normalidade, não será permitido:
a) Insistir na permanência no recinto de determinada área, fora do seu horário de funcionamento.
b) Fazer uso de tábuas, para treinamento, na piscina;
c) Jogar bola na área da piscina;
d) Levar bebidas, petiscos, comidas e cigarros para o recinto da piscina.

Art.71- O toboágua deve ser utilizado de forma convencional, uma pessoa por vez e por maiores de 5 (cinco) anos de idade. O acesso será somente pelas escadas. Para sua utilização, não é permitido:
a) Parar no meio do caminho;
b) Correr nas escadas e escorregador;
c) Empurrar outras pessoas;
d) Utilizar calçados, roupas ou jóias;
e) Escorregar usando roupas com fecho ou botão;
f) Descer em forma de trenzinho.

Art.72- As crianças menores de 5 (cinco) anos, só poderão usar o toboágua em companhia dos pais ou responsáveis.

Art.73- O uso do toboágua, não é recomendado para gestantes, pessoas portadoras de labirintite, epilepsia, problemas neurológicos e deficiência física, cardíaca ou de coluna. A Associação não se responsabilizará por qualquer outra forma de utilização.

CAPÍTULO XV
DA SAUNA

Art.74- O horário de funcionamento será determinado pelo Conselho de Administração.

Art.75- Não poderão utilizar a sauna pessoas portadoras das seguintes deficiências;
a) Problemas cardiovasculares;
b) Problemas renais;

Art.76- Não será permitido o uso da sauna por crianças menores de 14 (quatorze) anos, salvo se acompanhadas pelos pais ou responsáveis.

Art.77- Não poderão freqüentar a sauna pessoas sob o estado de embriaguez.

Art.78- É proibido ao associado sair do vestiário em trajes íntimos.

Art.79- Não é permitido ao associado bater calçados dentro do vestiário ou lavá-los no chuveiro.

Art.80- A Associação não se responsabilizará por materiais ou valores deixados dentro da sauna, bem como acidentes ou danos à saúde do usuário, pelo uso inadequado da sauna ou em desacordo com as presentes normas.

Art.81- É obrigatório o uso de chinelos dentro da sauna, para melhor higiene.

Art.82- Não é permitido barbear-se ou depilar-se dentro da sauna (sala de calor).

Art.83- Não será permitido transitar com copos, garrafas ou cigarros dentro da sauna.

Art.84- O convidado ou visitante sujeita-se as mesmas regras do associado, cabendo responsabilidade de seus atos ao associado que o apresentou.

Art.85- Não é permitido fumar no recinto da sauna.

CAPÍTULO XVI
DO SALÃO PRINCIPAL E VARANDÃO

Art.86- A Associação poderá, se requisitado antecipadamente, alugar as dependências para eventos dos associados, de terceiros ou da comunidade, programações sociais e culturais, cobrando-lhes os valores estabelecidos pelo Conselho de Administração, sem exceção.

Art.87- A locação somente se efetivará após a assinatura de contrato e liberação das licenças dos órgãos competentes. O locatário se responsabilizará por eventuais danos ao patrimônio da Associação e recolhimento das taxas.

Art.88- O locatário deverá respeitar a legislação vigente quanto aos aspectos de idade para participação nos eventos, consumo de bebidas alcoólicas, drogas e outras mais. Os associados infratores serão enquadrados no artigo 30 deste Regimento, os demais serão retirados do recinto da Associação.
§ único – A Associação fica isenta de eventuais problemas de saúde, físicos ou materiais, temporários ou não, que venham a sofrer quaisquer de seus associados ou convidados, antes, durante e após participações em eventos realizados no recinto da Associação ou fora dela.

CAPÍTULO XVII
DOS QUIOSQUES/CHURRASQUEIRAS

Art.89- A utilização dos quiosques deverá ser reservada na secretaria, com dia e hora do uso. Será cobrada uma taxa estipulada pelo Conselho de Administração para a participação de não associado, constante de listagem a ser entregue na secretaria, limitando-se a 25 (vinte e cinco) convidados adultos tendo acesso livre crianças até 12 anos acompanhadas dos pais.
§ único – Não será permitido o uso das demais dependências da Associação, aos não associados convidados, cabendo a responsabilidade ao sócio que o convidou.

Art.90- Menores de 18 (dezoito) anos só poderão utilizar os quiosques acompanhados pelos pais ou responsáveis.

Art.91- Os associados que utilizarem os quiosques, deverão manter a higiene e a limpeza dos mesmos. Não será permitido o uso de aparelhos de som em alto volume.

Art.92- A conservação dos quiosques é de responsabilidade dos usuários. Qualquer dano que por ventura ocorrer, fica o associado obrigado a indenizar a Associação pelo prejuízo.

CAPÍTULO XVIII
DO BAR E RESTAURANTE

Art.93- O concessionário se obrigará a manter as instalações e o serviço em geral, em grau de limpeza e higiene, em cumprimento às normas estabelecidas pela Vigilância Sanitária, não se deixando margem a reclamações.

Art.94- A Associação se reserva o direito, de quando aprouver, fiscalizar o serviço de bar e restaurante, adotar as providências necessárias ao fiel controle de qualidade e de preços a serem cobrados.

Art.95- A Associação zelará para que os preços a cobrar sejam acessíveis, obrigando o concessionário a afixar em lugar visível a tabela de preços.

Art.96- A entrada de associados dentro do bar e restaurante (recinto interno), só será permitida com a autorização do concessionário.

Art.97– Os funcionários que prestam serviços no Bar deverão usar os trajes estabelecidos pela vigilância Sanitária Municipal.

Art.98- É proibido a venda de bebidas alcoólicas a menores de 18 (dezoito) anos.

CAPÍTULO XIX
DAS QUADRAS E DOS CAMPOS DE FUTEBOL

Art.99- O horário de funcionamento será determinado pelo Conselho de Administração.

Art.100- O Conselho de Administração poderá determinar ainda, horários específicos para a prática de modalidades diversificadas ou para as escolinhas de treinamento. Os horários deverão estar afixados na secretaria em local visível e deverão ser obedecidos pelos praticantes.

Art.101- As práticas das modalidades esportivas seguirão as regras oficiais, sendo permitidas, com a autorização do Conselho de Administração, algumas regras e funcionamentos próprios.

Art.102- Os associados que quiserem fazer uso do material fornecido pela Associação deverão entregar a carteira social para a retirada do mesmo, sobre o qual ficará responsável. A não devolução do material, obrigará o associado a repor o mesmo para a Associação.

Art.103- Todo praticante deverá ter conduta exemplar, evitando discussões e apostas de qualquer tipo.

Art.104- A Associação não se responsabilizará por possíveis acidentes referentes a disputas de torneio, intra ou extra-campo.

Art.105- Não será permitido o uso de chuteiras nos campos de society.

Art.106- Caso haja necessidade de convidar atletas, não associados, para compor as equipes das peladas e campeonatos, deverão ser inscritos na secretaria, mediante pagamento de taxa estabelecida pelo Conselho de Administração.
§ único – Nas competições esportivas será vedado o uso das demais dependências d Associação aos componentes das delegações visitantes, salvo quando se tratar de outra AABB.

Art.107- Deverá o responsável ou qualquer membro do Conselho de Administração interditar ou não os campos nos dias de chuva, visando a preservar a integridade física do associado bem como o estado de conservação dos campos.

CAPÍTULO XX
DO CARTEADO E TRUCO

Art.108- A utilização das mesas de carteado é permitida somente aos maiores de 14 (quatorze) anos, salvo se acompanhados pelos pais ou responsáveis.

Art.109- A prática destes jogos será limitada aos locais determinados pelo Conselho de Administração.

Art.110- O fornecimento de baralhos, medalhas e troféus sem ônus para o associado será facultativo, dependendo da disponibilidade de recursos.

Art.111- Deverá ser observada a conduta desportiva, respeitando-se parceiros, adversários e demais pessoas presentes nos locais definidos para a prática de jogos.

CAPÍTULO XXI
DAS ATIVIDADES DIVERSAS

Art.112- A Associação para realizar estas atividades, e outros eventos, deverá informar aos associados com antecedência o prazo de inscrição, idades limites, horários e duração.

Art.113- Será permitido a participação de crianças não associadas, na colônia de férias, que deverão ser apresentadas por um sócio titular, que também será responsável pelas devidas autorizações e pagamento de taxa estabelecida pelo Conselho de Administração.

Art.114- Todas as atividades extras (culturais, desportivas e sociais) serão orientadas por regulamento próprio que contenha definições gerais aprovada pelo Conselho de Administração.

Art.115- Bosques e trilhas - Menores deverão estar acompanhados pelos pais ou responsáveis, devendo respeitar as sinalizações e o meio ambiente, cuidando para deixar o local totalmente limpo, recolhendo os restos em sacolas plásticas, depositando-as rigorosamente acondicionados nas lixeiras próprias.

Art.116- Será permitido a entrada nas dependências do bar de convidados, acompanhados do sócio titular á partir das 20:30 horas, com registro do convidado na portaria da Associação. § único – Ficará à disposição do Associado, na portaria da Associação, um livro para registro de ocorrências, caso não haja nenhum Conselheiro na Associação no momento do fato ocorrido.

CAPÍTULO XXII
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art.117- O associado é inteiramente responsável pelo seu estado de saúde, sendo que para sua participação em qualquer prática esportiva, entende-se que ele esteja apto para tal.

Art.118- A colocação de placas publicitárias e informativas na Associação, dependerá do cumprimento das normas estabelecidas pelo Conselho de Administração e prévia autorização.

Art.119- Aplicam-se aos convidados as mesmas normas estabelecidas aos associados.

Art.120- Os regulamentos internos e setoriais que venham a ser aprovados pelas diversas modalidades esportivas, sociais e administrativas e não constantes neste Regimento, os mesmos se agregarão sob a forma de adendo, numerados seguidamente.

Art.121- Os casos omissos e as dúvidas suscitadas no presente Regimento Interno serão resolvidos pelo Conselho de Administração, observando o estabelecido no Estatuto, no Regulamento das Eleições e nas demais deliberações dos órgãos da Associação.

Art.122- O presente Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho Deliberativo, em reunião no dia 20 de março de 2009, e entrando em vigor imediatamente.

Associação Atlética Banco do Brasil

Conselho de Administração

Presidente - Amim José de Sales Junior
Vice-presidente Administrativo: José Antônio Martinho da Cruz
Vice-presidente Financeiro: Cíntia Muniz Gomes Moreira
Suplente do Vice Presidente Financeiro - Alessandro Lourenço de Oliveira

Conselho Deliberativo

Efetivos:
Maria Goreti Viana de Oliveira
Pedro Ruiz Alves Costa
Clayne Henriques Gail Vieira
Silvana Pizelli Silva
Wanilda Garcia Hott Soares
José Francisco Carvalho Ananias

Suplentes:
Luiz Carlos Calheiros de Araújo Filho
Lúcio Prata Pena
Ronald Sad
Ednilson Lacerda
Milton Emerick
João Batista Zanutti

Conselho Fiscal

Efetivos:
Roney Vinicius Sabino
Fábio Cicarini Hott
Nilton Thasmo de Oliveira
Jaques Cordeiro

Suplentes:
Newton do Vale Lacerda
Flávio Martins de Oliveira
Pedro Pesso da Silveira

Colaboração

Simone de Oliveira Santos Cruz